Atlético-MG só três não tiveram descanso desde retorno

“Jorge Sampaoli não tem um time titular definido e muda a equipe de acordo com o adversário”. A frase tem sido muito dita nas últimas semanas por quem analisa o Atlético-MG e está correta. Acontece que, além das questões táticas, o treinador argentino também tem sido forçado a alterar a equipe de uma partida para a outra por questões físicas. E isso deve acontecer em boa parte do ano.

Desde que os campeonatos voltaram, o Galo já disputou seis jogos num intervalo de 18 dias, o que dá uma média de uma partida a cada três dias. A sequência quarta/domingo vai continuar, no mínimo, até o dia 13 de setembro, quando o Atlético vai receber o Bragantino, pela 10ª rodada do Brasileirão. Até lá, Sampaoli não terá nenhuma semana cheia para recuperação dos atletas e treinamentos.

Portanto, o treinador terá que administrar a parte física do elenco. O estilo de jogo do argentino, muito intenso e com muita movimentação, faz com que os atletas saiam de campo com muito desgaste. Isso explica uma série de mudanças que Sampaoli tem promovido no time. Até peças-chave como Réver, Allan e Keno tiveram descanso. Nathan, outro jogador fundamental para o esquema do time, não foi preservado de nenhuma das seis partidas e acabou machucado.

Nathan era, até o jogo contra o Corinthians, um dos três atletas titulares em todos os seis jogos do Galo pós-retorno. Além dele, só dois defensores não tiveram descanso: Rafael e Júnior Alonso. Para um goleiro, a sequência é menos desgastante. O defensor paraguaio deve ficar de fora de alguma partida, em breve, para evitar um risco de lesão. O mesmo deve acontecer com Guilherme Arana, que já tem cinco jogos consecutivos como titular, jogando 90 minutos em todos eles.