Santa e Salgueiro ficam no empate de deixam decisão para quarta-feira

Tudo em aberto na final do Campeonato Pernambucano. Em um confronto muito equilibrado e de muita marcação, Salgueiro e Santa Cruz ficaram no empate por 1 a 1 no primeiro jogo da final, disputado no estádio Cornélio de Barros, sem a presença de público por conta da pandemia da Covid-19.

Com o resultado, quem vencer na próxima quarta-feira, no Arruda (também com portões fechados para a torcida) fica com a taça. Uma nova igualdade leva a disputa para os pênaltis. O Tricolor busca o seu 30º título estadual, enquanto o Carcará quer fazer história como o primeiro campeão do interior. Uma curiosidade é que, para o Santa, agora o título só virá de forma invicta. Feito que os corais não conseguem há 88 anos


O jogo
Para a decisão, o técnico tricolor Itamar Schulle surpreendeu na escalação ao mandar a campo um Santa Cruz com três zagueiros, com a entrada de Célio Santos na vaga do atacante Victor Rangel. Com isso, o intuito era dar maior liberdade para o apoio ofensivo dos laterais e também cobrir a marcação do lado esquerdo, nas costas de Fabiano, um dos maiores problema da equipe em outros jogos.

Do lado do Salgueiro, o técnico português Daniel Neri manteve a base da equipe que derrotou o Afogados nas semifinais. E com estratégias distintas, as duas equipes fizeram um primeiro tempo equilibrado.

Com a nova formação, o Santa Cruz conseguiu o propósito de ter mais a bola nos pés, com Paulinho mais avançado (e sofrendo marcação individual do volante Willian Daltro). Já o Salgueiro, a proposta era de verticalizar o jogo ofensivo com rapidez, sempre que retomava a posse de bola. Porém, nessa guerra de estratégias, o primeiro gol saiu graças a um erro individual.

Aos 13 minutos, o meia Renato arriscou um chute rasteiro, de fora da área, e o goleiro Maycon Cleiton, o melhor do campeonato, aceitou um “frangaço”. Sorte dos tricolores que a reação veio de imediato. Dois minutos depois, após boa cobrança de escanteio de Didira, o zagueiro Danny Morais subiu mais alto que a zaga do Carcará e empatou, de cabeça.

Após a igualdade, as marcações dos dois times se sobressaíram. Com as poucas chances de gol sendo fruto apenas de cobranças de falta do experiente Ciel, por parte do Salgueiro.